Using your materials

After thinking deeply about my material I concluded that I needed select the most doable material I had written. On the 19th of September I tried to deconstruct it in fragment.

After have a variation of my motif I started to think about a beginning for my piece. I started with the same motif on the violins and viola, in a hight register, then I did a cannon where the motif is played aleatory and the accents are random.

1.png

This gesture goes on until the marimba start playing the same motif in random way too.

2.png

For this starting point, the main purpose was to have an in-harmonic sonic result with the odd partials of the harmonic series in D in a aleatoric way. However, it became more ambiguous when the violoncellos start to play, this is caused because violoncellos are playing in a hight register which decrease the possibility of a relieve on a fundamental so what we hear is a kind of harmonic partials all random played in a hight register. To do not lose the principal motif, which is been done by the Marimba, I double it on the violoncello 2.

3.png

On rehearsal mark E, bar 68, minute 1'44'' I introduced a new gesture which is other variation of my original one. This will let me go a bit down on the register and prepare the solo part of the Marimba.

4.png

On rehearsal mark F, bar 78, minute 2'00'' the gesture returned o the first one, still with fragments of the last. At this time, I did a different cannon. First time I did a cannon, was more and less a bar, at this point is only one bit. This gesture will help me to get down a bit more and continue the preparation for the solo marimba part.

5.png

Daniel Davis

Daniel Davis, Rua Carlos Pereira, Lisboa, Lisboa, 1500-139, Portugal

Começou a interessar-se pela Composição ao mesmo tempo que estudava Saxofone no conservatório, tendo como tutor Professor Francisco Loreto e professor Robert Andrés. No ano de 2011 ingressa na Escola Superior de Música de Lisboa no curso de Composição sob a orientação dos Professores Sérgio Azevedo e António Pinho Vargas. Teve aulas de Orquestração, Técincas de Composição, Análise, Sociologia e Estética Musical e História da Musica dos Séc. XX e XXI com os Professores Roberto Alejandro Peréz, Carlos Marecos, Carlos Caires, João Madureira e António Pinho Vargas. Em 2013 ganhou a Menção Honrosa do Prémio de Composição da Antena 2 / SPA e no mesmo ano ganhou, também, a Menção Honrosa do II Prémio de Composição da Banda Sinfónica Portuguesa realizado na Sala Suggia na Casa da Música do Porto. Em 2014 termina a licenciatura na Escola Superior de Música de Lisboa com a nota de 19 valores, sendo atribuída em unanimidade pelo Júri do exame. Em setembro do mesmo ano (2014) ganha por unanimidade o 1º lugar no Prémio de Composição SPA / Antena 2 com a peça “…from the last breath”, tornando-se bolseiro da Fundação Gulbenkian. Como profissional na área da Composição, produz um Teatro Musical no Castelo de São Jorge, encomenda da EGEAC e Castelo de São Jorge para a temporada 2015, participou como compositor no Prémio Jovens Músicos com a peça obrigatória para Saxofone, participa no aniversário como Compositor do Grupo Coral Regina Coeli, participa no projecto “10 Compositores, 3 Gerações 2 Quartetos” produzido pelo Paris Guitar Quartet e Quarteto de Vozes de Lisboa e foi o Jovem Compositor Residente da temporada 2014-2015 da Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras (OCCO), reconhecido num concurso realizado por membros da OCCO no passado dia 15 de Novembro de 2014. Em 2015 foi nomeado para o Prémio SPA Autores na categoria Música - Melhor trabalho de música erudita com a peça “Courage…to follow the way”. Actualmente frequenta o segundo ano do Mestrado na área de Composição na Escola Superior de Música de Lisboa, sob orientação do professor Luís Tinoco. Academicamente, tem colaborado em várias Teses/Dissertações de Mestrado, como editor de partituras e análise de partituras.